fbpx
  • img-book

    Uma viagem de trem pelo mundo soviético (e por outros países que não me deixaram entrar)

    A Rússia é muito mais do que Copa do Mundo. Desbrave um pouco mais do país, assim como das nações vizinhas que pertenceram a URSS, a bordo de antigos trens soviéticos – em especial na lendária Ferrovia Transiberiana – no mais novo livro de Zizo Asnis. Divertida, instigante e elucidativa, a história pertence ao gênero das boas narrativas de viagem.


    TRANSIBERIANA por: ZIZO ASNIS R$39,90

    A União Soviética se desintegrou em 1991, mas os países que formavam o enorme bloco comunista ainda são pouco conhecidos. O gaúcho Zizo Asnis, escritor de guias de viagem, aventura-se por essa misteriosa região, começando pela Bielorrússia e seguindo por Moldávia, Ucrânia, Rússia – onde toma o lendário trem da ferrovia Transiberiana –, Mongólia e China.

    Sob o aguçado olhar de viajante experiente, Zizo compartilha, com relatos em primeira pessoa, seu percurso por este “mundo soviético”, chegando, no decorrer da narrativa, a viajar na Transiberiana, onde pôde interagir com os russos e observar detalhes que, em outro meio de transporte que não o trem, certamente passariam despercebidos. Ao longo de toda a jornada, o autor relata suas percepções sobre a última ditadura da Europa (Bielorrússia), sobre o pequeno país que é o mais pobre do continente europeu (Moldávia), sobre os momentos politicamente conturbados que afetam a região desde o fim da URSS (em particular, Ucrânia), sobre a nação que é territorialmente a maior do planeta (Rússia), sobre a outra que já foi o maior império do mundo (Mongólia) e hoje vive isolada entre duas potências, sobre o país emergente que impõe uma forte censura (China).

    Sem a pretensão de se aprofundar em história ou política, o livro é, antes de tudo, uma narrativa de viagem – gênero já consagrado em muitos países europeus desde os tempos em que se registravam as primeiras grandes explorações geográficas. Assim, os leitores – se aventurando por locais onde muitos nunca imaginaram estar – são transportados à trágica região de Chernobyl, espiam a última prisão do regime soviético, mergulham no frio da Sibéria, acompanham a angústia para cruzar algumas fronteiras, descobrem como é o sistema de vistos da Coreia do Norte, experimentam o medo e a aflição ao ser preso em uma cadeia russa, se deparam com paisagens surpreendentes, situações inusitadas e personagens tão comuns quanto excepcionais. Tudo contado com boas doses de humor, emoção, reflexão e suspense – como invariavelmente são as boas viagens.