Conselhos que eu queria ter ouvido quando tinha 12 anos
Em 3 de abril de 2018

Não precisa ser mãe pra entender que a adolescência é punk, não é mesmo? Agora, quando surge um livro que nem o da Ana, parece até um alento para a alma.  Especialmente para nós, moças. A sua mãe pode até não ter passado estes conselhos para você (talvez não com as mesmas palavras), mas a gente faz questão de quebrar esse galho. Afinal, nunca é tarde para começar 😉

Eu já tive 12 anos, todas nós já tivemos. E alguns conselhos eu realmente gostaria de ter ouvido da minha mãe lá atrás, nos anos 80/90. Hoje, observando os dramas e desafios da Anita – brigas com colegas, padrões estéticos vigentes de sobrancelhas e cobranças que começam a pesar em suas costas – elaborei esta singela lista com itens que aprendi vivendo, observando e, às vezes, até chorando um pouquinho.

Ana Emília Cardoso, A mamãe é punk

As mulheres estão sempre pedindo desculpas. Nunca peça desculpas por não estar depilada, não ser perfeita, estar doente ou por sua casa estar uma bagunça. Não vale de nada e você não é obrigada a agradar o mundo.

 

 

Não deixe que ninguém a sabote. Vá lá e faça as suas coisas. Brigue pelas suas ideias. Seja teimosa. Às vezes ninguém nos apoia ou acredita no que estamos fazendo, no projeto que está na nossa cabeça.

 

 

Fale sempre a verdade. Exceto quando sua sinceridade excessiva for ofender alguém que só pediu uma opinião por te admirar.

 

 

Não dê conselhos demais.  Cada um  sabe o que é melhor pra si. Quem pede muito a sua opinião, quer te ocupar, tirar o seu foco. Note que essas pessoas nunca fazem o que lhes aconselhamos :/

 

 

Seja amiga de quem te faz sentir bem, seja apenas colega de quem é falso contigo. Não fale mal de ninguém. Critique e combata ideias, não pessoas.

 

 

A lista completa de "12 dicas para uma menina de 12 anos – que servem para mulheres dos 8 aos 80" você encontra no livro A mamãe é punk, já em pré-venda AQUI e logo nas principais livrarias de todo o país!